✑ Minha magnitude é a minha inércia

minha magnitude é a minha inércia
e também a falta de dados
por serem jogados
ou atirados cedo demais.
A aspereza desses momentos são a certeza
da leviandade que se atirará nos braços do desejo
Minha magnitude não é satisfação
é a suposição,
entre os muros que se enquadram a certeza
se firma a incompletude.
Por isso não me ame só agora
e nem limite tudo isto
num tempo.
e incansávelmente peço-te: não faça dessa alegria temporária um martírio.
O calor sentido agora, é uma possível  lembrança... que nem o incêndio completo
desfaz.
Nas passagens dignas dos teus olhos abertos
que estão colocadas tua vida
e nas entranhas das pupilas dilatadas
estão todos os sentidos...
fugaz?
Eu te procuro, sabendo que
jamais
te acharei.
mas nao te procurar é perder
talvez
a mim. Talvez.

Compartilhe esse poema nas redes sociais!

Leia Também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo