✑ Olhos Nipônicos

Foram eles, esses teus olhos de lua minguante ou crescente, parecidos com algo que amo, que me prenderam na inocência nossa de cada dia, num dia em que te vi pela primeira vez.

Na verdade, eu já havia visto-os centenas de vezes antes, eu já havia amado-os antes mesmo de te conhecer... Eu já havia namorado teus olhos noutros tempos...

Mas quando os conheci noutro tempo
eles ainda não eram teus e
não estavam presos em teu rosto.

De fato, é interessante como esse par nipônico me persegue. Agora trocaram de casa e arranjaram um novo modo de chamar a minha atenção...

Agora estou confuso pois não sei ao certo o que me causam, mas amo-os de paixão, mesmo quando não eram teus, e mesmo em você, amo-os completamente.

Na verdade, apaixonei-me totalmente por você, pois além dos teus olhos de lua, teu jeito nipônico também me atrai, desde muito tempo.

Esse teu jeito já me conquistou antes
quando esse par de olhos ainda nem eram teus.

Compartilhe esse poema nas redes sociais!

Leia Também:

✎ Autor: Gustavo Valério

Gustavo Valério Técnico em Informática e eletrônica

aficionado por literatura e tecnologia
e aprendiz de poeta nas horas vagas.
Acredita que a poesia é fundamental para todos.

☰ Conheça o autor >>

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo