✑ A madrugada

De certo há algo nela que me conforta.
Ruídos a distância
que nos levam a uma viagem ao recanto
mais obscuro do EU
As vezes eu sento na varanda
e fico ouvindo os sons
gatos derrubando alguma coisa,
cães brigando por algum pedaço
de carne estragada encontrada no lixo
Bêbados caminhando cambaleantes feito
uma sacola plástica flutuando ao vento
Sinto que eles são os deuses da noite
Fazendo o que querem,
ou não fazendo nada além de está jogado em alguma esquina
de alguma viela dessa cidade
Eles são deuses!
E eu digo isso porque as vezes sou eu
caminhando "zumbiado"
tropeçando em pedras
debatendo filosofia comigo mesmo num banco
que fica aqui na frente de casa
Queria me lembrar dessas conversas
mas não consigo
Aposto que deve ser alguma descoberta
a cerca do comportamento do homem em sociedade
ou algum novo teorema que vai ajudar a fazer
algum predio novo....
quem sabe explicar algum mistério universo
No entanto,
nunca saberei
Os deuses da noite é que sabem disso tudo
e não eu.

Compartilhe esse poema nas redes sociais!

Leia Também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo