✑ PARADOXOS

Eu queria palavras, que em teu vulto,
Em teus passos chegassem, mas impossível
achar aquelas que são tal lado oculto
Da lua... o anjo de flor indefinível!

Quero sons intraduzíves, qual insulto
Ao silêncio mais claro, e tão dizível!
Só assim eu terei de mim o indulto
Por não poder te dizer o impossível!

Caçarei teus anseios no mais profundo
Oceano. Em cada estrela eu verei
Sombras de teus sonhos, em qualquer mundo

Tudo seria de cor... assim in visível
Se me olhasses e me dissesses: - hei
Que entendo teu canto escuso, incompreensível!

Compartilhe esse poema nas redes sociais!

Leia Também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo