✑ Quisera

Quisera eu ter um coração puro,
Me doar para a futura amada,
Que pouco lhe agrada o elogio alheio,
E meu ouro vira prata, com tamanho desdém.

Quisera eu ter um olhar transparente,
E meus olhos se tornarem janelas,
Janelas tão belas convidando-a a espionar,
Observando o melhor de mim,
Agora só há muros, com tamanha frieza.

Queira eu ter nas mãos a criação,
Pois uma rocha vira magma,
Com amor cura-se a dor,
Bons momentos substitui os maus,
Mas seu coração esta descrente,
O seu sabor é amargo,
A vida tornou-se cinzenta, com seu profundo vazio.

E agora não a quero,
O belo tornou-se feio,
A magia se foi.
Estou exausto de tentar, tentar, tentar...
Tentar lhe mostrar o poder de amar.

Compartilhe esse poema nas redes sociais!

Leia Também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo