✑ Distante

Parei no meio da rua
senti algumas gotas de chuva
tocarem essa carcaça pútrida e fétida
Implorando que levasse embora
toda a diabrura, todo rancor e toda a solidão
que agora me afligem

Enquanto essa água escorre,
posso ouvir os passos daqueles que fogem
procurando abrigo em alguma fresta
dessa cidade sórdida

Vejo também crianças.
Elas saltam de poça em poça
Torcendo que a chuva não pare agora
Ao menos para elas
me parece ser um desejo válido

Eu?
Só fico parado,
sentindo um frio subir pela espinha
Mas não é algo ruim
É uma sensação boa que tras o animo de volta,
que renova as forças

Então volto pra casa.

Compartilhe esse poema nas redes sociais!

Leia Também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo