✑ Alienado

Vivo num mundo onde as pessoas simplesmente seguem.
Tento falar alguma coisa,
Mas parece que digo numa língua diferente,
e eles não me entendem,
ou será que sou eu que não os entendo?

As vezes penso que vivo a margem
dessa sociedade hipócrita,
Ou será o contrário?
São tantas perguntas que faço-me a cada dia.
As mesmas perguntas, e sempre falta-me a resposta.
O que faço? Não distinguo cor alguma
e não entendo nada do que eles falam.
Preciso encontrar uma maneira mais simples
de interagir com eles, pois todas as tentativas
tem sido medíocres, em vão.
Tem horas que fico impaciente, pois me parece
que prefiro o tom da minha própria voz
do que as outras vozes. (Estou falando deles.)
Quero ir pra longe, e me excluir de toda
essa falácia sem sentido de que tanto escuto
Buscar uma razão em todo esse emaranhado
de mentiras e intrigas.
Tenho refletido a respeito. Onde cheguei?
Na pior alternativa possível.
Pensei que talvez, todos nós, anomalias quiméricas
somos apenas ligados num estado randômico. Só pode!
Fazemos porque temos que fazer somente,
Não há um sentido propriamente dito, quer dizer,
partindo da hipótese de o sentido é atribuído
no momento que passamos a dar atenção para o fato.
É, eu sei. Um devaneio sem proporção.
Mas quem sabe o único sentido que existe,
é a sua ausência.
E por fim esperar que alguem o veja em algo.

Compartilhe esse poema nas redes sociais!

Leia Também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo