✑ Colírio

Eu preciso confessar que precisava
de algo que me fizesse sentir-me diferente...
Algo que clareasse minha visão
que me permitisse ver claramente...

Foi quando conheci ela
no início, não foi muito diferente
mas, na medida que eu ficava carente
ela foi se tornando meu delírio...
E assim, ela logo tomou minha mente
e agiu em mim, como colírio.

Confesso que precisava e estava na hora
de meus olhos poderem ter uma nova visão.
Foi quando algo novo aconteceu e agora
ela parece que mora em meu coração.

É incrível como a vida é cheia de altos e baixos.
O vento vital a soltou, arrastando-a para mim
soltando-a em meus braços, como um presente
que espero que me faça feliz.

Não poderia ser em outra hora
veio exatamente no momento certo!
Sim, os altos e baixos da vida
trouxe um colírio pros meus olhos desertos...

Agora eu posso ver claramente
que eu sempre a quis, mesmo sem perceber
e agora que ela pode ser minha
não sei exatamente o que fazer...

Compartilhe esse poema nas redes sociais!

Leia Também:

✎ Autor: Gustavo Valério

Gustavo Valério Técnico em Informática e eletrônica

aficionado por literatura e tecnologia
e aprendiz de poeta nas horas vagas.
Acredita que a poesia é fundamental para todos.

☰ Conheça o autor >>

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo