✑ Luz de Agosto

Foi à luz de Agosto
que brotastes no meu jardim
fazendo meu coração indisposto
alegrar-se. Pusestes fim
na minha solidão.

Enquanto choravas,
eu, por dentro, ria
vendo que ali estava
o motivo da minha alegria
e emoção.

Crescestes e enfeitastes
não só o meu jardim, mas o meu viver...
quando lembro do momento que me iluminastes
meu coração ainda pulsa de prazer.

E hoje, após alguns anos
transformastes tudo o que te rodeia...
Eu, sinto saudades, daquele choro soberano
e daquela chama, que até hoje, me incendeia.


Dedicado à Niedjan Valéria e Eduarda Mani

Compartilhe esse poema nas redes sociais!

Leia Também:

✎ Autor: Gustavo Valério

Gustavo Valério Técnico em Informática e eletrônica

aficionado por literatura e tecnologia
e aprendiz de poeta nas horas vagas.
Acredita que a poesia é fundamental para todos.

☰ Conheça o autor >>

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo